Cidade do Ceará organiza bingos, rifas e shows para pagar cirurgia de jovem com doença grave

0

Sofrendo com as consequências de uma escoliose idiopática ‒ deformidade na coluna vertebral ‒ desde os oito anos, Ramayana Carneiro, 25, despertou a solidariedade da comunidade onde mora em Morrinhos, cidade da região Norte do Ceará. Vizinhos, amigos e moradores da cidade estão mobilizados na tentativa de arrecadar R$ 70 mil para a cirurgia de correção de coluna, que, pelo avançar do tempo, se tornou urgente para a jovem.

Bingos, rifas e até shows beneficentes estão sendo organizados. “Tenho vivido uma experiência muito fantástica por ter pessoas que se importam”, diz a estudante.

Ramayana Carneiro e o irmão, em Morrinhos, Ceará — Foto: TV Verdes Mares/ Reprodução Ramayana Carneiro e o irmão, em Morrinhos, Ceará — Foto: TV Verdes Mares/ Reprodução

Ramayana Carneiro e o irmão, em Morrinhos, Ceará — Foto: TV Verdes Mares/ Reprodução

Ela mora com o irmão, tem dificuldades para realizar tarefas simples em casa e afirma que convive com dores diárias. “Eu ainda não tive uma vida normal para uma jovem de 25 anos”, lamenta.

De acordo com a família, o desvio da coluna está comprometendo o funcionamento normal dos pulmões e do coração há pelo menos seis meses, o que agravou o caso. “Ela fica impossibilitada de fazer muitas coisas. Fica com falta de ar e cansaço.”

Ramayana Carneiro sofre com escoliose idiopática desde os oito anos e pede ajuda para realizar cirurgia — Foto: TV Verdes Mares/ Reprodução Ramayana Carneiro sofre com escoliose idiopática desde os oito anos e pede ajuda para realizar cirurgia — Foto: TV Verdes Mares/ Reprodução

Ramayana Carneiro sofre com escoliose idiopática desde os oito anos e pede ajuda para realizar cirurgia — Foto: TV Verdes Mares/ Reprodução

Com dificuldades para respirar e dormir, a situação se tornou ainda mais urgente. “Não tem como eu ir pra fila de espera porque cada vez mais tá piorando, e como a coluna fica em cima do pulmão e coração eu tô correndo risco de vida”, explica a jovem.

Até agora, os amigos conseguiram pelo menos 10% do valor da cirurgia. A costureira Luana Alves acredita também que a união das pessoas pode fazer mais do que arrecadar valor em dinheiro. “Nós juntos vamos conseguir ver a Ramayana curada com a graça de Deus. Ela precisa do calor humano, das pessoas.”

G1 CE

Compartilhe

Deixe um comentário