Ouvir Rádio: Rádio Senado / Universitária FM 107.9 Fale Conosco

Forças federais vão a refinaria do RJ para escoltar caminhão-tanque

0

Um comboio de militares do Exército e policiais rodoviários federais foi à Refinaria de Duque de Caxias (Reduc), na Baixada Fluminense, na tarde desta sexta-feira (25). O Comando Militar do Leste (CML) esclareceu que a ida dos militares e agentes tinha como objetivo escoltar um caminhão-tanque que garantiria o abastecimento de veículos do Exército.

Militares chegaram à Refinaria Duque de Caxias, na Rodovia Washington Luís

Militares chegaram à Refinaria Duque de Caxias, na Rodovia Washington Luís

O Globocop registrou o momento da chegada dos veículos. Mais cedo, naquela altura da Rodovia Washington Luís, um grupo de caminhoneiros grevistas causou transtornos na via. Eles tentaram ocupar as quatro pistas da rodovia. Por volta das 11h50, a situação começou a se normalizar após chegada de agentes da PRF.

Também nesta tarde, em Brasília, o Ministério das Defesa informou que as Forças Armadas vão atuar para desbloquear vias ocupadas por caminhoneiros grevistas.

No entanto, sobre a presença de militares na Reduc, nesta sexta, o CML garantiu que o deslocamento não tem relação com decreto do presidente Michel Temer que autoriza uso de forças federais na desobstrução de rodovias do país.

Protesto de caminhoneiros em Dracena nesta sexta-feira (25) (Foto: Jorge Zanoni/Cedida) Protesto de caminhoneiros em Dracena nesta sexta-feira (25) (Foto: Jorge Zanoni/Cedida)

Protesto de caminhoneiros em Dracena nesta sexta-feira (25) (Foto: Jorge Zanoni/Cedida)

Greve monitorada

Em nota, o Gabinete de Intervenção Federal (GIF) no RJ informou que monitora a greve dos caminhoneiros. Também segundo o texto, o planejamento do GIF prevê a atuação das forças seguranças estaduais e, caso necessário, das forças federais.

O gabinete informou que a Polícia Militar está fazendo escoltas “em beneficio da manutenção de setores essenciais, como saúde, transporte de químicos para tratamento da água e funcionamento de aeroportos”.

A nota ressalta que “não há racionamento de combustível nas instituições policiais e as operações previstas seguem seu curso normal”.

O interventor federal no RJ, general Braga Netto, reforçou que “todas as providências necessárias estão sendo tomadas. “Minha principal preocupação é com a população, para que não haja desabastecimento”, disse o interventor.

G1

Compartilhe

Deixe um comentário