Janela alimentar: a importância de comer na hora certa

0

Um grande número de pessoas no mundo hoje está acima do peso. O estilo de vida moderno não ajuda muito. Cada vez mais temos menos tempo para praticar exercícios e nos alimentarmos de maneira saudável. Muitas pessoas passam o dia sentadas ao computador e se alimentam do que é mais prático e rápido no horário que é possível.

Mas o que os cientistas têm descoberto é que o ciclo biológico é extremamente importante, e se alimentar de acordo com esse ciclo pode ajudar a manter a forma. Claro que alimentos saudáveis são essencias, mas em vez de se concentrar tanto no que comemos, devemos prestar mais atenção em quando comemos. Um pesquisador do Instituto Salk, em San Diego, Satchin Panda, indica através de estudos e publicações que comer dentro de uma certa janela de tempo todos os dias pode ajudar as pessoas a perderem peso e a prevenir doenças, incluindo diabetes, doenças cardíacas e câncer.

Se alimentar antes de anoitecer pode ser uma boa para a saúde (Foto: iStock Getty Images) Se alimentar antes de anoitecer pode ser uma boa para a saúde (Foto: iStock Getty Images)

Se alimentar antes de anoitecer pode ser uma boa para a saúde (Foto: iStock Getty Images)

Em estudos com animais, ele e outros pesquisadores mostraram que limitar a ingestão de alimentos a um período de oito a 12 horas pode melhorar o desempenho cognitivo e físico, e pode até mesmo prolongar o tempo de vida. Conhecida como alimentação com restrição de tempo, a abordagem é simples: coma uma dieta saudável e variada, evitando alimentos industrializados e excesso de açúcar, mas não consuma nada antes ou depois do tempo previsto.

O ritmo circadiano dos humanos não é projetado para um mundo com acesso de 24 horas aos alimentos. Ao nos alimentarmos o tempo todo, ocorre uma desregulação do ciclo circadiano. E é o que a maioria das pessoas fazem hoje. Muitos jantam em horários bem avançados, já quase na hora de dormir. Esse hábito pode facilitar o ganho de peso.

Não está claro se a alimentação com restrição de tempo funciona em humanos da maneira que parece funcionar em ratos de laboratório. Por um lado, os ratos e os humanos têm ritmos circadianos muito diferentes. Mas alguns grupos de pesquisa têm estudado esse comportamento também em humanos. Os genes Clock, conhecidos por regularem nosso relógio biológico são muitas vezes alvos dessas pesquisas e indicam que para algumas pessoas essa alteração dos horários de alimentação pode ser ainda mais prejudicial. Um outro benefício dessa janela de alimentação é que as pessoas acabam comendo um pouco menos também, e os estudos também indicam que essa diminuição de calorias pode estar associada a uma maior longevidade.

O pesquisador iniciou sua pesquisa em genética do ritmo circadiano em ratos e revelou que ao longo de um dia, centenas de genes do fígado ligam e desligam. O fígado desempenha um papel central no metabolismo de calorias, e descobriu-se que a maioria desses genes cíclicos estava envolvida na alimentação e digestão. Isso o levou a perguntar se os ratos – e os seres humanos também – estavam programados para comer de acordo com uma determinada programação circadiana. Em 2008, ele começou a examinar como os ratos respondiam a diferentes horários de alimentação. Para sua surpresa, a alimentação com restrição de tempo teve poderosos benefícios para a saúde e uma diminuição do peso em aproximadamente 30%.

Os estudos indicam que a alimentação com restrição de tempo, ou jejum de 12 horas, aumenta a atividade das mitocôndrias que fornecem energia às células em todo o corpo; aumenta os níveis de corpos cetônicos, moléculas produzidas pelo fígado durante o jejum, que são uma poderosa fonte de energia e são especialmente úteis para as células musculares e cerebrais; também aumenta a produção de gordura marrom, a gordura “boa” que ajuda o corpo a queimar mais energia. Juntos, esses mecanismos permitem que o corpo gere mais energia e metabolize as calorias com mais eficiência do que as refeições não programadas.

Provavelmente nosso organismo não é adaptado para uma ingestão tão contínua de alimentos. Em tempos ancestrais, a oferta era pequena e haviam grandes períodos de jejum. Nossa genética não evoluiu tanto ao ponto de se adaptar a essa nova realidade da vida moderna. O ritmo circadiano do nosso metabolismo ainda espera que paremos de comer ao pôr-do- sol. Se alimentar enquanto o sol está presente pode ser uma dica para uma vida mais saudável e com energia.

Referências:

Panda S., Meal frequency and timing in health and disease. Proc Natl Acad Sci U S A. 2014 Nov 25;111(47):16647-53.

Panda S., Time-restricted feeding is a preventative and therapeutic intervention against diverse nutritional challenges. Cell Metab. 2014 Dec 2;20(6):991-1005.

*As informações e opiniões emitidas neste texto são de inteira responsabilidade do autor, não correspondendo, necessariamente, ao ponto de vista do Globoesporte.com / EuAtleta.com.

Mestre em biotecnologia e doutora em biologia celular e do desenvolvimento com habilitação em genética molecular humana pela UFSC. É membro da American Society of Human Genetics e do Institute for Functional Medicine. Hoje é diretora técnica do Biogenetika, centro de medicina individualizada (Foto: EuAtleta) Mestre em biotecnologia e doutora em biologia celular e do desenvolvimento com habilitação em genética molecular humana pela UFSC. É membro da American Society of Human Genetics e do Institute for Functional Medicine. Hoje é diretora técnica do Biogenetika, centro de medicina individualizada (Foto: EuAtleta)

Mestre em biotecnologia e doutora em biologia celular e do desenvolvimento com habilitação em genética molecular humana pela UFSC. É membro da American Society of Human Genetics e do Institute for Functional Medicine. Hoje é diretora técnica do Biogenetika, centro de medicina individualizada (Foto: EuAtleta)

Compartilhe

Deixe um comentário