Lava Jato faz buscas nos gabinetes do deputado Eduardo da Fonte e do senador Ciro Nogueira, do PP

0

Por Camila Bomfim, Ana Paula Andreolla e Renan Ramalho*, TV Globo e G1, Brasília

Operação da PF investiga políticos do Progressistas por compra de silêncio

Operação da PF investiga políticos do Progressistas por compra de silêncio

A Polícia Federal (PF) cumpriu mandado de busca nesta terça-feira (24) nos gabinetes e também nos apartamentos funcionais do deputado Eduardo da Fonte (PP-PE) e do senador Ciro Nogueira (PP-PI), presidente nacional da legenda.

O mandado foi autorizado pelo ministro Edson Fachin, relator dos processos da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF). A operação foi deflagrada em conjunto com a Procuradoria Geral da República.

A PF também cumpriu mandado de prisão contra o ex-deputado Márcio Junqueira (Pros-RR). Ele foi preso em Brasília. A assessoria de imprensa de Márcio Junqueira disse que a prisão é injusta, que o deputado é inocente. “É uma armação política para prejudicar o Márcio Junqueira”, afirmou a assessoria do ex-deputado. O Pros, partido ao qual ele é filiado, informou que não irá se pronunciar.

As investigações apuram uma suposta tentativa de obstrução de Justiça. De acordo com investigadores, Eduardo da Fonte e Ciro Nogueira são suspeitos de comprar o silêncio de um ex-assessor do senador que vem colaborando com a Justiça. O assessor detalhou que recebia o pagamento em espécie e quem repassava o dinheiro era o ex-deputado Márcio Junqueira.

Segundo investigadores, o ex-assessor colabora com diversas investigações no âmbito da Lava Jato e teria sido ameaçado de morte. Por conta das ameaças, ele foi incluído no programa de proteção à testemunha.

A PF cumpriu oito mandados de busca e apreensão – todos em endereços ligados aos três alvos da operação desta terça-feira.

Alvos da operação

O deputado Eduardo da Fonte e o senador Ciro Nogueira já foram denunciados e são alvos de investigações no Supremo Tribunal Federal (STF).

Eduardo da Fonte foi denunciado em setembro do ano passado por integrar o chamado “quadrilhão do PP”. O parlamentar também foi denunciado por ter participado de uma negociação para barrar uma eventual CPI da Petrobras no Congresso, mas o STF rejeitou a acusação.

Além disso, foi investigado por corrupção e lavagem de dinheiro em um terceiro inquérito da Lava Jato, mas o caso foi arquivado em abril.

O senador e presidente do PP, Ciro Nogueira, foi denunciado em setembro do ano passado por integrar o chamado “quadrilhão do PP”, que supostamente teria corrompido dirigentes da Petrobras.

A PGR o incluiu na lista após suspeitas de que o senador recebia repasses frequentes de verbas desviadas da Petrobras. Segundo delatores, ele chegou a liderar o esquema durante um período e seria o responsável por determinar como a propina deveria ser dividida entre os integrantes do PP.

Repercussão

Ao comentar o assunto, nesta terça, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse que a busca no gabinete de Eduardo da Fonte “não é um ato que nos deixa feliz” mas, ressaltou, “na democracia é assim”.

“A Justiça e o Ministério Público cumprem seu papel e a Câmara continua o seu trabalho. Como eu disse, não é um ato que nos deixa feliz mas na democracia é assim. Todos podem ser investigados. O que a gente espera é que no final o deputado Dudu tenha todas as condições de fazer a sua defesa e mostrar que não tem responsabilidade pelo que está sendo, pelo que há indício nesse momento para investigação”, declarou Maia.

Versões

Saiba abaixo as versões do senador e do deputado:

Ciro Nogueira

A defesa de Ciro Nogueira disse, por meio de nota, que acompanhou as buscas da PF na casa e no gabinete do senador. A defesa afirmou, ainda, que desconhece as razões da determinação judicial.

“É certo que o Senador sempre se colocou à disposição do Poder Judiciário, prestando depoimentos sempre que necessário e, inclusive, já foi alvo de busca e apreensão. Continuará a agir o Senador como o principal interessado no esclarecimento dos fatos”, disse o advogado do senador.

Segundo a assessoria do senador, ele está em missão oficial em Bruxelas, na Bélgica, participando de um evento da Organização Mundial do Comércio (OMC) de 24 a 26 de abril.

Eduardo da Fonte

O deputado Eduardo da Fonte disse que está à disposição da Justiça. “Estou à disposição da Justiça sempre. Confiamos nela e em Deus”, afirmou por meio de sua assessoria.

Segundo a PF, o deputado Eduardo da Fonte estava em seu apartamento em Recife, na praia de Boa Viagem, e acompanhou o cumprimento do mandado de busca e apreensão pela Polícia Federal. Quatro policiais federais participaram da ação. O material apreendido será levado para Brasília, inclusive um telefone celular do parlamentar.

A Polícia Legislativa da Câmara dos Deputados informou que acompanhou a operação de busca e apreensão no gabinete e no apartamento funcional do deputado.

Íntegra

Leia abaixo a íntegra da nota da defesa de Ciro Nogueira:

A defesa do Senador Ciro Nogueira deseja esclarecer que a busca e apreensão efetuada na residência e no gabinete do Senador, embora a defesa entenda que foi absolutamente desnecessária, ocorreu rigorosamente dentro da legalidade, em cumprimento a ordem emanada de Ministro do Supremo.

Na residência não houve documento apreendido e a apreensão de montante em espécie é facilmente justificada, pois o Senador tem em seu IR valores em moeda regularmente declarados. Ademais, dentro dos cofres localizados na residência, cujas senhas foram voluntariamente fornecidas pelo casal, também tinham pertences e valores particulares de sua esposa, que é deputada federal.

Os poucos documentos apreendidos no gabinete do Senador não causam nenhuma preocupação. A afirmação de que o Senador, de alguma maneira, pudesse ter feito qualquer movimento a ser equivocadamente entendido como tentativa de obstrução é , nas palavras do Senador, completamente fora da realidade. Sequer en passant o Senador praticou qualquer ato que pudesse ser interpretado como tentativa de embaraço. A defesa reitera que o Senador Ciro continua à disposição do Poder Judiciário para todo e qualquer esclarecimento, como sempre esteve.

KAKAY

*Colaborou o G1 PE

Compartilhe

Deixe um comentário