Operador de Cabral diz que anel comprado por Cavendish foi ‘forma de propina’

0
Amigo de infância de Sérgio Cabral conta tudo sobre suposta propina

Amigo de infância de Sérgio Cabral conta tudo sobre suposta propina

Carlos Miranda, apontado pelo MPF como operador do ex-governador Sérgio Cabral, prestou depoimento pela primeira vez nesta quarta-feira (6) em juízo como delator no processo que apura crimes da operação Ratatouille. Ele confirmou que o anel comprado por Fernando Cavendish foi uma forma de propina para Cabral.

“Joia comprada por Fernando Cavendish foi uma forma de propina. O valor foi descontado do valor de propina que Cavendish pagava para a organização (de Sérgio Cabral)”, disse Miranda. Na terça-feira, Cabral classificou a doação da joia de mais de 200 mil euros para sua mulher em 2009 como “presente de puxa-saco”.

Segundo Cavendish, a joia teve como contrapartida a participação da construtora Delta no consórcio de reforma do Maracanã para a Copa de 2014.

Operador financeiro da quadrilha de Sérgio Cabral faz acordo de delação premiada

Operador financeiro da quadrilha de Sérgio Cabral faz acordo de delação premiada

Ex-aliado de Sérgio Cabral e apontado como operador dele, Carlos Miranda admitiu nesta quinta-feira (7) ter gerenciado a propina do esquema criminoso do ex-governador. Ele disse que o governador cobrou propina de 5% em contratos públicos.

Segundo Miranda, os R$ 300 milhões devolvidos pelos delatores e doleiros Marcelo e Renato Chebar pertenciam à quadrilha. Cabral nega.

“Eu confirmo a existência desta organização criminosa e participava dela no gerenciamento de recebimento de todas as propinas e pagamentos determinados por Sérgio Cabral”, disse Miranda.

Em seguida, foi ouvido o empresário Marco Antonio de Luca, acusado de pagar propina para o Tribunal de Contas do Estado fazer “vista grossa” em contratos de suas empresas de alimentação com o poder público. Ele nega. Afirma que contratou neto do ex-presidente Jonas Lopes como advogado para viabilizar pagamento de dívida do Estado de R$ 27 milhões. Ele também é acusado de pagar R$ 16 milhões de propina ao ex-governador, o que nega. “Como eu ia pagar R$ 2 milhões em 2007 se só tinha faturado R$ 15 mil?”, questionou.

G1

Compartilhe

Deixe um comentário