Polícia Civil não descarta tentativa de homicídio em caso de delegado baleado

0

A Polícia Civil segue investigando as circunstâncias nas quais o delegado Romério Moreira de Almeida sofreu dois tiros, na manhã desta quinta-feira (26). A suspeita é de tentativa de suicídio, mas os agentes não descartam a possibilidade de tentativa de homicídio. O delegado foi afastado, ontem (25), da função por 60 dias por suspeitas de corrupção.

Romério foi encontrado baleado em sua residência com dois tiros calibre 22. O agente foi transferido para o Hospital Instituto José Frota (IJF), em Fortaleza, e já recebeu alta. Agora, ele deve ficar em recuperação em unidade particular.

Corrupção

Segundo investigações do Ministério Público Estadual, através do seu Núcleo de Investigação Criminal, e do grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), o delegado Romério Almeida teria praticado crime de corrupção juntamente com o ex-policial civil (ex-escrivão) e advogado criminalista Hélio Nogueira Bernardino.

Os dois suspeitos foram alvos de uma ação policial batizada de “Operação Renault” realizada nesta quarta-feira (25). Mandados judiciais de busca e apreensão foram cumpridos nas residências dos investigados, além de diligências também no gabinete do delegado (no 34º DP ) e no escritório do advogado. A operação foi autorizada pelo juiz de Direito, Henrique Jorge Granja de Castro, atendendo a um requerimento do MP.

Escutas telefônicas autorizadas pela Justiça revelaram que o delegado e o advogado receberiam a quantia de R$ 3 mil (R$ 1,5 mil para cada um) para liberar o carro apreendido em poder de um traficante identificado como Anderson Rodrigues da Costa, atualmente preso no Presídio da Cigana, em Caucaia, onde também foi feita uma busca na cela ocupada pelo detento.

Na manhã desta quarta-feira, o afastamento do delegado foi oficializado e confirmado pelo delegado-geral da Polícia Civil, Everardo Lima. A medida judicial tem o prazo de 60 dias.

Compartilhe

Deixe um comentário