Polônia repete 2014, vence o Brasil na final e é tricampeã do Mundial masculino

0

Por Helena Rebello — Turim, Itália

Polônia repete 2014, vence o Brasil na final e é tricampeã do Mundial masculino Polônia repete 2014, vence o Brasil na final e é tricampeã do Mundial masculino

Reuters

Há quatro anos a Polônia foi campeã sem o craque de uma geração, sem o garoto propaganda do Mundial em casa. Cortado às vésperas por indisciplina naquela edição, Bartosz Kurek desta vez teve a chance de provar que também merecia o título. Quis o destino que o adversário na final do Mundial masculino de 2018, em Turim, também fosse o Brasil. Foi principalmente pelas mãos do oposto, endiabrado no ataque e também um dos destaques de um bloqueio em noite de gala, que os poloneses conquistaram um imponente 3 a 0, com parciais de 28/26, 25/20 e 25/23. Irreconhecível, a seleção brasileira amargou o segundo vice seguido no campeonato e ainda viu os rivais se igualarem em número de troféus. Eles agora também são tricampeões mundiais.

Melhores momentos: Polônia 3 x 0 Brasil pelo Campeonato Mundial de Vôlei

Melhores momentos: Polônia 3 x 0 Brasil pelo Campeonato Mundial de Vôlei

O Brasil abriu a final com a mesma formação titular usada diante da Sérvia na semi: Bruninho, Maurício Souza, Lucão, Wallace, Lipe, Douglas Souza e Thales – se alternando com Maique na dobradinha recepção/defesa. O jogo começou tenso, com erros de saque de ambos os lados. O Brasil chegou a abrir dois pontos em diagonal longa de Wallace (5/3), mas ficou claro rapidamente que o bloqueio e o saque poloneses dariam muito trabalho. Em ponto de saque de Kurek, foi a Polônia que abriu dois de margem (8/6).

Wallace encara o bloqueio polonês — Foto: Reuters Wallace encara o bloqueio polonês — Foto: Reuters

Wallace encara o bloqueio polonês — Foto: Reuters

As duas equipes se apoiaram em seus opostos, e quando Szalpuk aumentou a diferença para três pontos no bloqueio (14/11), Renan pediu tempo. A margem aumento para quatro e, depois de dois pontos seguidos de Kubiak, Renan parou o jogo mais uma vez (20/16). Inversão feita, com William e Evandro em quadra, Lipe fez a diferença cair para apenas um ponto com dois aces (20/21). A margem cresceu de novo, mas aí Isac entrou e incendiou no saque (22/23). Reynen parou outra vez. O central seguiu fazendo estrago, e Evandro empatou (23/23). O Brasil salvou três set points, mas um bloqueio de Kurek sobre Wallace encerrou a parcial em 28/26.

A Polônia começou o segundo set mais uma vez endiabrada e com um bloqueio gigantesco. O Brasil parecia zonzo na marcação, mesmo com quase todas as bolas indo para Kurek. Foi do oposto o ponto que abriu 8/4. Em boa passagem de Douglas pelo saque, com viradas de muita habilidade de Wallace, a seleção encostou (10/11). Os poloneses voltaram a abrir três pontos, e Renan apostou de novo em Isac para sacar. Desta vez a mudança não funcionou. Foi Kurek quem pontuou no saque, e Renan parou o jogo (20/16).

Douglas Souza vibra com ponto do Brasil — Foto: Reuters Douglas Souza vibra com ponto do Brasil — Foto: Reuters

Douglas Souza vibra com ponto do Brasil — Foto: Reuters

O oposto seguiu impossível enquanto a defesa brasileira literalmente ficou olhando a vantagem aumentar para cinco pontos (22/17). Renan pediu tempo mais uma vez. Nem a inversão surtiu efeito. A Polônia abriu 2 a 0 em ataque de Kubiak, explorando o bloqueio: 25/20.

Renan aposto em William na vaga de Bruninho para o terceiro set, mas o passeio polonês continuou. O abatimento do Brasil ficou evidente após um levantamento para Wallace morrer no vazio (7/3). Renan pediu tempo, mas o atropelo continuou (11/4). O técnico então colocou Isac, Lucas Loh, Evandro e voltou com Bruninho, mas nada parecia dar certo (16/10).

Bartosz Kurek, o herói do título polonês — Foto: Reuters Bartosz Kurek, o herói do título polonês — Foto: Reuters

Bartosz Kurek, o herói do título polonês — Foto: Reuters

Após a segunda parada técnica houve um esboço de reação pelas mãos de Douglas e Evandro (13/17). Só que Kurek, do outro lado, ignorava o bloqueio brasileiro (19/14). Renan gastou o segundo pedido de tempo, e um bloqueio de Loh deu um sopro de esperança. Éder entrou para sacar e reacendeu o jogo, fazendo a diferença cair para um ponto (21/22). Douglas e Isac salvaram match points, mas Kurek – ele de novo! – acabou com a festa. A noite era dele. A noite era da Polônia: 25/23.

Compartilhe

Deixe um comentário