Ouvir Rádio: Rádio Senado / Universitária FM 107.9 Fale Conosco

Samara Felippo fala de preconceito, representatividade e feminismo

0

Samara Felippo, branca e lisa, faz sucesso nas redes sociais com seus posts de cabelos cacheados. Isso porque suas duas filhas, Lara, de 4 e Alícia, de 8, fruto do relacionamento com o jogador de basquete Leandrinho Barbosa, têm os fios encaracolados e passaram por um processo de aceitação. E a mãe teve (e tem!) um papel fundamental na construção da autoestima delas. Mas como tudo isso começou?

+ Cabelo cacheado: como reverter a progressiva
+ Buscas por cabelo cacheado no Google superam as por cabelo liso
+ Beyoncé lança boné para crespas e cacheadas

“Quando a Alícia tinha 4 anos, uma amiga da escola disse que o cabelo dela era ruim. Aquilo mexeu bastante comigo porque sei que crianças reproduzem o que veem em casa e na televisão”, conta. “Aos 7 anos, ela veio me questionar de não ter nenhuma amiga cacheada próxima a ela na sala. Nesse dia, Alícia disse que queria ter cabelo liso. Foi quando eu percebi que precisava fazer alguma coisa. Ela não vê meninas cacheadas nos desenhos, livros e televisão.” Samara chamou um amigo cabeleireiro para cortar os fios da filha e fez um vídeo, que viralizou na internet. Então, ela resolveu falar mais do assunto.

Samara (Foto: Instagram/Reprodução)

“Essa falta de representatividade tem origem no racismo. As redes sociais deram mais visibilidade aos negros. Eles estão podendo falar e o que nós devemos fazer é nos calar e ouvir. Temos que excluir esse padrão de beleza branco”, diz.

“Somos um país de maioria negra e beleza miscigenada. Isso é lindo. Essa geração que está se sobressaindo e usando a moda como resistência precisa aparecer cada vez mais. Acho incrível ver as negras e cacheadas bombando na mídia. Para as minhas filhas e todas as jovens, isso tudo é um estímulo de aceitação.”

Samara (Foto: Instagram/Reprodução)
Samara (Foto: Instagram/Reprodução)

Depois de estudar bastante e ler sobre o assunto, Samara se tornou uma superincentivadora das cacheadas. Seus posts com fotos, dicas de como cuidar e mensagens de empoderamento capilar chegam a atingir 20 mil curtidas. O vídeo de Alícia cortando o cabelo contabiliza 335.314 mil visualizações!

+Dear White People: Entenda porque a série da Netflix é tão importante para discutir o racismo
+Racismo: Casais inter-raciais famosos revelam como lidam com ele em suas relações
+
Ashley Graham fala sobre bullying e racismo em livro de memórias

“Precisamos ensinar nossas filhas que cuidar do cabelo é uma forma de diversão. Eu preciso dizer que é fácil, mas não é”, diz. “Pesquiso, vou atrás de produtos, penteados, maneiras de arrumar. Aprender a cuidar dos fios é se amar diariamente. É isso que eu quero ensinar. Já não há representatividade, se elas acharem que tratar dos cabelos é difícil, vão querer alisar mesmo.”

Samara (Foto: Instagram/Reprodução)

Mas nem tudo foi tão simples como parece. Samara tem cabelos lisos e precisou entender muita coisa para passar essa mensagem às filhas. “Reconheço o meu privilégio branco. Mas ter filhas negras e cacheadas me fez enxergar além. Há um grupo de mulheres negras que me criticam por falar disso, mas eu não quero tomar a luta de ninguém, respeito muito o lugar de fala de cada uma“, conta. “Eu quero lutar junto com elas, quero ajudar. Tenho uma voz na mídia e quero usar isso para contribuir no que puder.”

Samara (Foto: Instagram/Reprodução)

A atriz também é superfeminista e faz de tudo para criar as filhas com todas as premissas da luta pela igualdade de gênero. “A partir do momento que eu me enxerguei feminista, não incitando a rivalidade entre mulheres, dando as mãos às outras, e não julgando (somos ensinadas a fazer isso), passei a me cobrar menos em relação ao meu corpo”, conta.

Samara explica que já foi escrava desse padrão, tomando remédios para emagrecer e fazendo todas as dietas que existem. “Hoje me encontro em um momento fitness, mas é uma questão de saúde, de bem-estar. O feminismo me empoderou de verdade.” Citando a escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie, a qual tem lido bastante, Samara termina a entrevista deixando um recado: “Para educar crianças feministas.”

Curte o conteúdo da Glamour? Ele está no nosso app e agora também no Globo Mais, o app que é muito mais do que uma banca. Nele você tem acesso a um conteúdo exclusivo em tempo real e às edições das melhores publicações do Brasil. Cadastre-se agora e experimente 30 dias grátis.

Glamour

Compartilhe

Deixe um comentário