Ouvir Rádio: Rádio Senado | Rádio Câmara Fale Conosco

Ceará recebe programa de qualificação profissional para jovens com espectro autista

0
UFC lança programa de qualificação profissional para jovens do espectro autista, no Ceará. — Foto: UFC/Divulgação

O projeto é da Universidade Federal do Ceará e atende ao público entre 18 e 29 anos.

O Programa de Qualificação e Inclusão de Jovens com Transtorno do Espectro Autista (TEA) no Mercado de Trabalho foi lançado, nesta sexta-feira (8), pelo Núcleo de Tratamento e Estimulação Precoce (NUTEP) da Universidade Federal do Ceará (UFC).

O programa é voltado para pessoas de 18 a 29 anos que estejam cursando ou tenham concluído o ensino médio ou ensino superior e apresentem diagnóstico/avaliação terapêutica ou sinais e sintomas do TEA.

LEIA TAMBÉM:

A iniciativa oferta avaliações médica, terapêutica e vocacional para que oportunidades de trabalho sejam captadas e direcionadas conforme o perfil e as habilidades de cada uma.

Para Victor André Freitas, participante do programa, ouvir o diagnóstico foi como uma libertação. “Foi o dia mais feliz da minha vida, pois eu descobri quem eu sou”. O jovem enfatizou que as pessoas que fazem parte do espectro autista “são muito mais do que uma condição, são cidadãos do Brasil e do mundo” e possuem muitas habilidades para contribuir com a sociedade.

“Todos os beneficiários terão acompanhamento psicológico e vocacional durante a vigência do programa (12 meses) para que o processo de adaptação e manutenção do emprego seja bem-sucedido por meio do alcance dos desafios e metas dos planos individuais de desenvolvimento”, destaca Kathleen Xavier, coordenadora da iniciativa.

De acordo com ela, o NUTEP também realizará treinamentos nas empresas parceiras e acompanhará semanalmente o jovem no local de trabalho para dar suporte às atividades de capacitação e inclusão. Além de psicólogos clínicos e vocacionais, compõem ainda a equipe multiprofissional do programa: médico neurologista, terapeuta ocupacional, assistente social e tutor com formação na área de acompanhante terapêutico.

A iniciativa é possível através de financiamento do Governo Federal, via Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), executada pela Secretaria Nacional da Juventude (SNJ).

G1 CE

Compartilhe

Deixe um comentário