Ouvir Rádio: Rádio Senado | Rádio Câmara Fale Conosco

CGU e PF criam grupo integrado para enfrentar crimes de corrupção

0

A Controladoria-Geral da União (CGU) e a Polícia Federal (PF) publicaram uma portaria conjunta que cria o grupo integrado de enfrentamento aos crimes de corrupção e desvio de recursos públicos no governo federal. A parceria tem como objetivo reunir a experiência das duas instituições e de seus agentes no combate ao desvio de recursos públicos.

VEJA TAMBÉM
  • Moraes concede a mais um acusado pelo 8/1 direito à liberdade provisória
    BRASÍLIA

    Moraes concede a mais um acusado pelo 8/1 direito à liberdade provisória

  • Relatórios favoráveis às indicações de Dino e Gonet são lidos na CCJ
    BRASÍLIA

    Relatórios favoráveis às indicações de Dino e Gonet são lidos na CCJ

  • Operação visa combater cadeia logística das principais facções do Brasil
    BRASÍLIA

    Operação visa combater cadeia logística das principais facções do Brasil

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

“A Polícia Federal e a Controladoria-Geral da União possuem longo histórico de trabalhos em conjunto, com excelentes resultados, que serão ampliados com grupos nas unidades centrais e regionais, de modo a viabilizar a constante discussão, aumentando a qualidade e a quantidade de operações em conjunto, a proatividade, a contemporaneidade e a eficiência, no contexto de uma atuação forte no combate à corrupção”, disse o diretor-geral da PF, Andrei Rodrigues.

O ato de criação foi assinado nesta quinta-feira (7) por Rodrigues e pelo ministro-chefe da CGU, Vinícius de Carvalho, durante seminário que celebrou o Dia Internacional contra a Corrupção, em Brasília.

• Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp
• Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp
• Compartilhe esta notícia pelo Telegram
• Assine a newsletter R7 em Ponto

De acordo com o ministro da CGU, serão ampliados os resultados que foram alcançados pelas duas instituições. Segundo Carvalho, a partir do aprimoramento dos processos de investigação e sanção e da articulação e coordenação da atuação dos órgãos e entidades governamentais, será possível tornar o combate à corrupção mais efetivo.

“Com ações coordenadas, capazes de abordar as complexas faces do fenômeno da corrupção (…), aumentamos a capacidade de detecção. E, quanto maior for nossa capacidade de descobrir ilícitos, menores serão os incentivos para que agentes públicos ou privados atuem de forma ilegal”, explicou o ministro.

Compartilhe

Deixe um comentário