Ouvir Rádio: Rádio Senado | Rádio Câmara Fale Conosco

Como montar um cronograma de estudos para concurso público? Veja 10 passos para

0

Otimizar o tempo e manter a rotina de estudos estão entre os benefícios de um planejamento eficaz

Cronograma de estudos

A aprovação em concurso público, meta atual de muitos brasileiros, demanda foco, dedicação e um longo caminho de preparação pela frente. Uma das bases essenciais nessa jornada é ter um bom cronograma de estudos, tarefa não muito fácil para muitos concurseiros, especialmente os de primeira viagem.

É comum que o candidato se sinta perdido e não saiba, por exemplo, como definir prioridades, dividir horários de estudo, classificar as disciplinas, entre outras atividades para organizar um ciclo eficiente de planejamento.

COMO INICIAR UM CRONOGRAMA DE ESTUDOS?

Otimizar o tempo, manter a rotina de estudos e evitar procrastinação estão entre os benefícios de um bom cronograma, aponta o professor de Direito Constitucional do Gran Cursos, Marcos Fonseca*, o Marquinhos.

Segundo o especialista, diversos pontos devem ser levados em consideração pelo candidato para se montar um bom cronograma de estudos. Entre eles, o peso da disciplina na prova, a dificuldade em relação a determinado assunto, disponibilidade de horário, um rodízio de matérias, assim como estabelecer um plano de metas de revisão e exercícios.

COMO MONTAR UM CRONOGRAMA DE ESTUDOS PASSO A PASSO?

Para o Diário do Nordeste, o professor Marquinhos, que também é coordenador científico de mentoria e coaching no Gran Cursos, montou um guia passo a passo de como fazer um cronograma de estudos.

1 – DEFINA A CARREIRA

O primeiro passo, segundo o professor, é definir qual carreira seguir. Isso evita que o concurseiro fique migrando de concurso para concurso, a partir das publicações dos editais. “Criar uma base consistente de disciplinas comuns à área almejada te prepara não apenas para uma prova, mas para uma carreira”.

2 – ESTABELEÇA METAS ALCANÇÁVEIS

É importante estabelecer uma rotina de horários que possam ser cumpridos, destaca o professor. “Muitas vezes, na empolgação da publicação do edital, os alunos estabelecem metas que não são sustentáveis e, quando se deparam com um ou dois dias sem conseguirem cumprir essas metas, desistem. É incrível o poder de se fazer um pouco todos os dias. Estabeleça metas alcançáveis. Se achar que estão tranquilas, após duas semanas de cumpri-las todas, aumente-as”.

3 – VERIFIQUE O PESO DAS DISCIPLINAS

O passo seguinte é verificar o peso de cada disciplina com base no nível de dificuldade entre elas, para assim melhor distribuir o tempo de estudo. Quanto maior o peso, maior a quantidade de horas dedicadas para a disciplina no cronograma.

Além disso, se você domina pouco ou nada uma disciplina, o professor recomenda resumos, revisão e exercícios para ela. Se existe um conhecimento intermediário, estabeleça revisões e exercícios. “Se já domina o assunto, faça apenas exercícios para dominar as pegadinhas das bancas”, destaca.

4 – DEFINA PRIORIDADES DA SEMANA

Outra dica é começar a semana de estudos pelo que é mais importante, priorizando as disciplinas que têm peso maior no edital. Dessa forma, se não houver tempo de estudar tudo o que o documento pede, o candidato fará a prova com o conhecimento do que é mais importante. Como regra geral, segundo aponta Marquinhos, “fechar” um edital não é necessário, e poucas pessoas conseguem esse feito.

5 – DISTRIBUA AS ATIVIDADES

Ainda de acordo com o professor, o candidato deve distribuir as atividades do cronograma de estudos de acordo com o próprio nível, que deve ser classificado entre iniciante, intermediário, ou avançado, seguindo as recomendações abaixo:

  • Nível iniciante: assista às aulas na ordem do curso. Seu cronograma deverá contemplar 70% do seu tempo de estudos com resumos; 15% com revisões; e 15% com exercícios.
  • Nível intermediário: assista às aulas na ordem do curso. Seu cronograma deverá contemplar 50% do seu tempo de estudos com resumos; 25% com revisões; e 25% com exercícios.
  • Nível avançado: assista às aulas na ordem aleatória dos assuntos. Seu cronograma deverá contemplar 20% do seu tempo de estudos com resumos; 35% com revisões; e 45% com exercícios.

 

Estudos
Legenda: Estabelecer metas alcançáveis está entre os pontos para um bom cronograma de estudos
Foto: Shutterstock

 

6 – EVITE O ESGOTAMENTO

Estudar em excesso e sem tempo de descanso pode, muitas vezes, ter o efeito contrário ao esperado. Para evitar o esgotamento físico, estude por no máximo 50 minutos consecutivos, com uma pausa de 10 minutos entre cada bloco. Se a jornada de estudos for ao longo de todo o dia, a orientação é que, a cada três horas estudadas, o concurseiro descanse por 45 minutos, no mínimo.

7 – ESCOLHA EXERCÍCIOS EFICAZES

Ao resolver exercícios, o candidato deve escolher aqueles que estão de acordo com o nível de escolaridade exigido pelo edital. Se possível, deve-se fazer exercícios já cobrados pela mesma banca. Fazendo isso, os resultados na prova tendem a replicar os do treinamento.

8 – FAÇA REVISÕES

Todo cronograma de estudos contempla revisões poderosas. Nesse caso, a recomendação é revisar todo o conteúdo estudado pelo concurseiro nos últimos 30 dias.

Outra revisão deve ser feita a cada três meses, repassando todo o conteúdo já estudado. “Ainda que essas revisões demandem alguns poucos dias, esta etapa é fundamental para que não esqueça os assuntos já estudados ao avançar nos assuntos inéditos”, destaca Marquinhos.

9 – NA RETA FINAL, FOQUE NOS ERROS

Faltando cerca de 15 dias para a prova, é importante que o candidato não mais avance nos conteúdos e passe a se dedicar apenas aos exercícios e às revisões. A revisão deve ter como foco apenas os erros cometidos nos exercícios, já que são a lacuna de conhecimento que precisa ser preenchida para a aprovação.

10 – CUIDE DO SEU CORPO

Outra dica importante é aliar a rotina de estudos com os cuidados com o corpo. Segundo o professor, o ideal é que o concurseiro não ignore uma boa alimentação, beba 40ml de água para cada quilo de peso corporal, faça atividade física e durma, no mínimo, sete horas por noite. “É mais difícil quando seu corpo não está preparado fisicamente para a jornada”, reforça.

 

*Marcos Fonseca é professor de Direito Constitucional e coordenador científico de mentoria e coaching do Gran Cursos Online, plataforma digital de ensino com foco em concursos públicos.

DIÁRIO DO NORDESTE

Compartilhe

Deixe um comentário