Ouvir Rádio: Rádio Senado Fale Conosco

Empresária cearense morta com tiro assinou procuração autorizando namorado a tomar decisões sobre herança

0

Empresária foi baleada no peito; companheiro afirmou que ela tentou suicídio, versão contestada pela polícia — Foto: TV Verdes Mares/ReproduçãoEmpresária foi baleada no peito; companheiro afirmou que ela tentou suicídio, versão contestada pela polícia — Foto: TV Verdes Mares/Reprodução

Empresária foi baleada no peito; companheiro afirmou que ela tentou suicídio, versão contestada pela polícia — Foto: TV Verdes Mares/Reprodução

Dez dias antes de morrer após ser ferida no peito com um tiro, a empresária cearense Jamile de Oliveira Correia assinou uma procuração em que dava direitos ao namorado, o advogado Aldemir Pessoa Júnior, para representá-la na Justiça no processo do inventário do ex-marido, morto em acidente de trânsito em 2017.

A morte da empresária era tratada como suicídio mas a polícia passou a cogitar a possibilidade de feminicídio cujo suspeito é Aldemir Pessoa. A mudança na investigação ocorreu após a descoberta de vídeos que mostram o namorado carregando Jamile ferida no elevador do prédio onde moravam e, em outra ocasião, agredindo-a dentro do carro. A defesa do advogado mantém a tese de que a empresária tirou a própria vida e afirma que o cliente tentou evitar o tiro disparado por ela, mas não conseguiu.

Aldemir Júnior representava a namorada no processo do inventário do ex-marido de Jamile, José Aluísio Correia Neto, que morreu aos 54 anos em um acidente na Avenida Engenheiro Santana Júnior, em Fortaleza, no dia 3 de agosto de 2017.

G1 teve acesso à procuração. A mulher concedeu poderes ao namorado para representá-la em qualquer tribunal, ‘podendo, inclusive, requerer o que se fizer preciso, propondo as ações necessárias, contestar, replicar, interpor recursos, assinar termos, fazer acordo, desistir, retificar, ratificar, dar quitação e passar recibo’.

Ex-marido deixou patrimônio

Uma familiar de Jamile já havia revelado, sob a condição de não ser identificada, que Aldemir vinha ameaçando a empresária e já havia formulado um documento para que a vítima assinasse, autorizando repassar a ele todos os seus bens.

“Tudo isso me abala muito. A única coisa que ele queria dela era o patrimônio dela, quando o marido dela faleceu, ele deixou um patrimônio alto. Na minha cabeça, ele arquitetou tudo. Fez confusão e matou ela. Ele tinha uma folha onde dizia para ela passar todo o patrimônio dela para ele. Ela disse que ele podia matar ela e ela não passava. Ela dizia para mim que ele era um carrapato, que mandava ele sair do apartamento e ele não saía”, afirmou a entrevistada.

Caso tratado como suicídio tem reviravolta e advogado passa a ser suspeito de feminicídio

Caso tratado como suicídio tem reviravolta e advogado passa a ser suspeito de feminicídio

Aldemir Pessoa Júnior disse que ele e Jamile estavam apaixonados e prestes a casar. “Patrimônio por patrimônio, eu tenho o meu. Não se trata disto. Nós íamos casar agora dia 18, no dia do aniversário dela. Foi um suicídio e, de qualquer forma, tenho minha consciência tranquila”, disse.

O casal namorava há cinco meses e morava junto no apartamento de Jamile, em um condomínio de luxo no Bairro Meireles, em Fortaleza. Foi lá que a mulher foi baleada, na noite de 29 de agosto.

Jamile foi levada pelo advogado e pelo filho de 14 anos ao Instituto Doutor José Frota (IJF), no início da madrugada do dia 30. A família de Jamile soube que ela estava no hospital apenas naquela noite. Na manhã do dia 31, a empresária morreu com uma hemorragia.

Família sob ameaça

Familiares de Jamile alegam que estão recebendo ameaças nos últimos dias, desde que o caso passou a ser noticiado. “São ligações estranhas. Eles dizem: ‘A família da Jamile vai pagar por isso’. A gente está abrindo o ‘bocão’, dizendo tudo que sabe. O que queremos é justiça”, contou uma parente da empresária.

Empresária morreu com um ferimento à bala em Fortaleza; polícia investiga o caso como homicídio — Foto: Arquivo PessoalEmpresária morreu com um ferimento à bala em Fortaleza; polícia investiga o caso como homicídio — Foto: Arquivo Pessoal

Empresária morreu com um ferimento à bala em Fortaleza; polícia investiga o caso como homicídio — Foto: Arquivo Pessoal

Outra familiar de Jamile destacou que uma das amigas tem sofrido intimidações diariamente e acredita saber quem faz as ameaças. “Não foi ele (Aldemir) diretamente quem ameaçou, foi um amigo dele que sempre está no nosso meio, se passando de amigo do marido falecido da Jamile”, afirmou.

Agressões constantes

Em depoimento, o filho de Jamile de Oliveira afirmou que as agressões do advogado contra a mulher eram comuns. O adolescente estava na residência no momento do disparo, mas se escondeu no closet ao ouvir barulhos durante a discussão do casal. Ele não soube precisar quem segurava a arma e quem foi responsável pelo tiro.

G1 CE
Compartilhe

Deixe um comentário