Ouvir Rádio: Rádio Senado / Universitária FM 107.9 Fale Conosco

Ex-presidente peruano Alan García morre após dar tiro na cabeça

0

Ex-presidente peruano Alan García, em foto de março de 2019 — Foto: Guadalupe Pardo/ReutersEx-presidente peruano Alan García, em foto de março de 2019 — Foto: Guadalupe Pardo/Reuters

Ex-presidente peruano Alan García, em foto de março de 2019 — Foto: Guadalupe Pardo/Reuters

O ex-presidente peruano Alan García morreu em um hospital em Lima após dar um tiro na própria cabeça na manhã desta quarta-feira (17).

O diretor do hospital, Enrique Gutiérrez, afirmou que, ao dar entrada na unidade, García tinha dois orifícios de bala no crânio, “um de entrada e um de saída”.

Com a polícia em casa para prendê-lo, ex-presidente do Peru se suicida
Jornal Nacional
Com a polícia em casa para prendê-lo, ex-presidente do Peru se suicida

Com a polícia em casa para prendê-lo, ex-presidente do Peru se suicida

O atual presidente do Peru, Martín Vizcarra, publicou em rede social uma mensagem de condolências para os familiares e amigos. Ele decretou luto oficial de três dias no país.

Martín Vizcarra

@MartinVizcarraC

Consternado por el fallecimiento del ex presidente Alan García. Envío mis condolencias a su familia y seres queridos.

7,304 people are talking about this

García tentou suicídio após a chegada de policiais a sua casa, na capital peruana, para prendê-lo por um caso de corrupção ligado à empreiteira brasileira Odebrecht. Veja abaixo cinco fatos sobre o ex-presidente do Peru:

G1 Mundo
5 fatos sobre Alan García

5 fatos sobre Alan García

A Justiça do Peru havia determinado a prisão de dez dias do ex-presidente pela acusação de receber dinheiro ilegal da Odebrecht em uma campanha eleitoral em 2006, de acordo com o site do jornal peruano “El Comercio”.

Segundo a publicação, às 6h25 de Lima (8h25 em Brasília), os agentes chegaram à casa de García com um mandado de busca e apreensão.

Apoiadora de Alan García chora na frente do hospital ao saber que o ex-presidente morreu — Foto: Guadalupe Pardo/ReutersApoiadora de Alan García chora na frente do hospital ao saber que o ex-presidente morreu — Foto: Guadalupe Pardo/Reuters

Apoiadora de Alan García chora na frente do hospital ao saber que o ex-presidente morreu — Foto: Guadalupe Pardo/Reuters

Pouco depois, uma equipe de escolta pediu ao ex-presidente que descesse, porque também havia um pedido de detenção. Eles relataram que García se comunicou com seus advogados. Em seguida, ouviu-se um disparo.

O ex-presidente foi levado ao hospital Casimiro Ulloa, também em Lima, e chegou a ficar algum tempo em coma. Ele passou por cirurgia, mas acabou morrendo.

Fiscal abre investigação contra promotores

Uma fiscal do Ministério Público do Peru abriu de ofício nesta quarta-feira uma investigação por “supostas infrações administrativas” contra os promotores José Domingo Pérez e Henry Amenábar. Eles eram os responsáveis por investigar Alan García, segundo documento divulgado pela imprensa peruana.

A fiscal adjunta superior Rosario Velazco Sánchez escreveu, em ofício, que Aménabar chegou à casa do ex-presidente e “não havia tomado as medidas necessárias” para garantir a sgurança da operação.

“Ele entrou no quarto sem acompanhamento policial, o que permitiu que atentasse contra sua própria vida”, disse a fiscal no texto.

Mais tarde, o Ministério Público peruano emitiu nota em que rechaça o pedido de Sánchez e diz que houve “estrito cumprimento de um mandado judicial, com pleno respeito dos direitos fundamentais”. O MP esclareceu, ainda, que a abertura de investigação feita pela fiscal foi feita de ofício, dentro das competências que a fiscal tem no controle interno do órgão.

Ministerio Público

@FiscaliaPeru

| Respecto al desarrollo de la diligencia, a cargo de los fiscales del Equipo Especial, la Fiscalía de la Nación remarca que se realizó en estricto cumplimiento de un mandato judicial, con pleno respeto de los derechos fundamentales del exmandatario, Alan García.

401 people are talking about this

Propinas da Odebrecht

A Odebrecht é investigada no Peru por ter pago propina para ganhar contratos de obras de infraestrutura. Os casos de suborno da Odebrecht no país já levaram à prisão o ex-presidente Pedro Pablo Kuczynski e a líder da oposição, Keiko Fujimori.

Prédio da Odebrecht em Lima, no Peru — Foto: Reuters/Janine CostaPrédio da Odebrecht em Lima, no Peru — Foto: Reuters/Janine Costa

Prédio da Odebrecht em Lima, no Peru — Foto: Reuters/Janine Costa

Kuczynski, que também está hospitalizado e nega envolvimento com qualquer irregularidade, foi detido na quarta-feira (10), após a emissão de uma ordem de prisão preliminar por suspeita de envolvimento com esquema de lavagem de dinheiro.

Os ex-presidentes Ollanta Humala e Alejandro Toledo também tiveram a imagem abalada por envolvimento com irregularidades relacionadas à construtora brasileira.

Em fevereiro, a Odebrecht fechou acordo de colaboração com o governo do Peru. A companhia já fez acertos similares com outros sete países: Brasil, Estados Unidos, Suíça, República Dominicana, Panamá, Equador e Guatemala.

Família rejeita honras de Estado

A família de Alan García rejeitou a realização de um funeral com honras de Estado, como teria direito já que foi governante do Peru, informou a agência EFE.

O secretário pessoal de García, Ricardo Pinedo, anunciou a meios de comunicação locais que o funeral acontecerá na Sexta-feira Santa ao meio-dia.

“Será velado e enterrado somente com as honras do partido, que às vezes são muitos maiores que as honras do presidente (Martín) Vizcarra”, disse Pinedo sobre o atual governante do Peru, o qual García meses acusou de estar por trás da investigação sobre ele, a mesma que rotulou de “perseguição”.

G1

Compartilhe

Deixe um comentário