Hemoce comemora Dia Mundial da Hemofilia com atividades culturais

0

O Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará, Hemoce, da rede pública do Governo do Ceará, realiza na próxima terça-feira, 17 de abril, uma programação com atividades culturais e informativas em alusão ao Dia Mundial da Hemofilia. A data celebrada em todo o mundo é uma alerta de conscientização para a doença que impede a coagulação do sangue.

A programação será a partir das 10h, na sede do Hemoce em Fortaleza. Os profissionais do Ambulatório de Coagulopatias do Hemoce irão realizar uma bliz informativa com cartazes e panfletos sobre a hemofilia, como identificar e quais os locais para tratamento. “Nosso objetivo é divulgar com a população, profissionais e estudantes das áreas da saúde, principalmente os que estudam próximo ao Hemoce, para alertar sobre a hemofilia e mostrar que o tratamento adequado traz qualidade de vida aos pacientes”, disse Stella Maia, enfermeira chefe do ambulatório de coagulopatias do Hemoce.

Como parte da programação cultural o grafiteiro, Isleudo Soares, que é paciente hemofílico atendido pelo Hemoce irá grafitar uma parte do muro do hemocentro com um painel em alusão à hemofilia. “A ideia é chamar a atenção de quem passa pelo local e provocar a curiosidade sobre a arte que faz referência à pessoas com hemofilia. Dessa maneira, através da arte, podemos ajudar na divulgação da doença que ainda é pouco conhecida pela população”, comenta o artista. Para reforçar a conscientização do Dia Mundial da Hemofilia, a banda Selvagens à Procura de Lei irá realizar uma participação no evento com um pocket show voluntariamente.

Hemoce é referência no tratamento no Ceará

O Hemoce é o único centro de referência do Ceará para o atendimento das pessoas com hemofilia, em todas as faixas etárias. O hemocentro de Fortaleza coordena todo este trabalho e também supervisiona o tratamento nas unidades regionais (Sobral, Crato, Iguatu e Quixadá). São cerca de 540 pacientes com hemofilia em todo o Estado.

A hemofilia é uma doença genética causada pela ausência dos fatores VIII ou IX da coagulação, que provoca um sangramento por mais tempo nos portadores da doença. De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil tem cerca de 12 mil pessoas que sofrem com a doença. As pessoas portadoras de hemofilia costumam apresentar, além das dificuldades de coagulação em ferimentos, sangramentos internos, principalmente nas articulações e músculos. Se não tratadas, as hemorragias podem causar deformidades nas articulações e deficiências físicas.

Existem dois tipos de hemofilia, tipo A ou B. O que diferencia um do outro é o fator de coagulação que a pessoa deixa de produzir naturalmente. Considerada rara, a hemofilia afeta geralmente homens. Os sintomas mais comuns são sangramentos musculares e nas articulações e hematomas.

O diagnóstico é feito através de um exame laboratorial que verifica a dosagem do fator de coagulação no sangue. A doença pode ser classificada em hemofilia A ou B dependendo da ausência dos fatores apresentados no exame. O Hemoce disponibiliza o exame para investigar a hemofilia.

Funcionamento do serviço

O Hemoce atende os portadores de hemofilia há 34 anos e a partir de 2008, em parceria com o Ministério da Saúde, o fator de coagulação para suprir a ausência dos fatores deficientes dos hemofílicos, passou a ser distribuído para os pacientes levarem para casa. Atualmente as consultas são feitas com hematologistas regularmente no Hemoce, mas os pacientes levam a medicação para fazer a autoinfusão em casa, de acordo com a recomendação médica.

Em Fortaleza, o atendimento acontece de segunda a sexta-feira, das 7 às 18h. Já a farmácia, que oferece o fator de coagulação, fica aberta 24h. Nas unidades, os hemofílicos são assistidos por uma equipe multidisciplinar composta por médicos, farmacêuticos, bioquímicos, enfermeiros, fisioterapeutas, odontólogos, assistentes sociais e psicólogos.

Dia Mundial da Hemofilia

O dia 17 de abril foi escolhido para celebrar o “Dia Nacional da Hemofilia”, pois foi quando nasceu Frank Schnabel hemofílico e fundador da federação Mundial de Hemofilia. Schnabel atuou pela melhoria da qualidade de vida dos hemofílicos. Hoje, esse é dia é utilizado para ampliar a discussão sobre assuntos relacionados à doença e para ressaltar a importância de se investir constantemente na melhoria do tratamento dessas pessoas.

Compartilhe

Deixe um comentário