Justiça decreta prisão de ex-vereador e filho dele por agressão em frente ao Instituto Lula

0

Por Walace Lara, Daniel Evangelista e Luciana Vicente, TV Globo e GloboNews

Homem fica ferido após confusão em frente ao Instituto Lula em São Paulo

Homem fica ferido após confusão em frente ao Instituto Lula em São Paulo

A Justiça decretou a prisão preventiva do ex-vereador de Diadema Manoel Eduardo Marinho (PT), conhecido como Maninho, e do filho dele, Leandro, pela agressão a um empresário em frente ao Instituto Lula, na Zona Sul de São Paulo, em 5 de abril. A defesa da dupla diz que irá recorrer.

Em sua decisão, a juíza Débora Faitarone, da 1ª Vara do Júri, disse que “os réus contaram com a impunidade, que não veio e não virá”. “Eles não podem permanecer em liberdade após a prática de um crime doloso contra a vida, praticado de maneira tão covarde”, afirmou.

A vítima, o empresário Carlos Alberto Bettoni, de 56 anos, foi agredida por três apoiadores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no dia em que foi expedido o mandado de prisão contra o líder petista.

Procurada, a advogada Patrícia Cavalcanti, que defende Maninho e o filho dele, disse que irá recorrer da decisão. “Esta decisão foi uma surpresa, até porque esta decisão não corresponde com a realidade dos fatos. O próprio laudo pericial acostado nos autos demonstra a real verdade dos fatos, logo está decisão está fora do contexto da situação”, disse.

Questionada sobre a possibilidade de seus clientes se entregarem à polícia, afirmou: “Esta decisão acabou de sair, então nós, enquanto defesa, iremos nos reunir para verificar todas as situações”.

A juíza afirma na decisão que a prisão foi decretada “para garantir a ordem pública e assegurar a aplicação da lei penal, e considerando ainda a gravidade do crime, que inclusive é hediondo”. Com a aceitação da denúncia, os acusados deverão ser julgados por um júri popular.

Agressores de administrador em frente ao Instituto Lula têm prisão decretada

Agressores de administrador em frente ao Instituto Lula têm prisão decretada

Agressão

O empresário foi empurrado, bateu a cabeça em um veículo que passava pela rua e desmaiou (assista acima). Ao recobrar consciência, foi levado a pé ao Hospital São Camilo, que fica na mesma via. Ele sofreu traumatismo craniano, precisou ser operado e ficou 22 dias internado.

A prisão foi decretada dois dias depois de o Ministério Público denunciar a dupla por tentativa de homicídio duplamente qualificado (por motivo torpe e meio cruel).

Nesta sexta, a juíza aceitou a denúncia e concordou com o promotor do caso, Felipe Eduardo Levit Zilberman, e arquivou a participação no caso do presidente da Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT, Paulo Cayres, o Paulão.

Paulão chegou a ser indiciado pela Polícia Civil por lesão corporal dolosa (intencional). Ele aparece no vídeo agredindo o empresário. Para o promotor Zilberman, a agressão praticada por Cayres resumiu-se a um chute quando a vítima ainda estava na calçada, “não mais praticando qualquer ato violento na sequência”.

G1

Compartilhe

Deixe um comentário