Ouvir Rádio: Rádio Senado / Universitária FM 107.9 Fale Conosco

Macri elimina imposto sobre alimentos

0

O presidente da ArgentinaMaurício Macri, anunciou nesta quinta-feira (15) novas medidas econômicas, depois da derrota sofrida nas prévias eleitorais de domingo. Dessa vez, Macri reduziu e eliminou o IVA (imposto sobre valor agregado) de vários alimentos.

Entre os produtos beneficiados, estão pão, leite, azeite, arroz, açúcar, entre outros. A medida, segundo Macri, será publicada nas próximas horas e vale até o fim do ano.

“Confio (que esta medida) será um alivio para o bolso de milhões de argentinos”, afirmou Macri. “Vamos controlar que essa norma se cumpra em todo o país”, disse.

Na quarta-feira, a Macri já havia anunciado uma série de medidas destinadas aos trabalhadores e às pequenas e médias empresas. O governo argentino aumentou o salário mínimo, congelou o preço da gasolina e propôs um pagamento de bônus adicional aos trabalhadores.

A Argentina enfrenta um quadro difícil na economia. O país está em recessão, lida com uma inflação elevada e teve de recorrer ao Fundo Monetário Internacional (FMI) no último ano.

Macri anuncia pacote para tentar recuperar popularidade
Jornal Nacional
Macri anuncia pacote para tentar recuperar popularidade

Macri anuncia pacote para tentar recuperar popularidade

Tensão no mercado

A vitória do opositor Alberto Fernández – que tem a ex-presidente Cristina Kirchner como vice – nas prévias do domingo provocou tensão no mercado financeiro nos últimos dias. A bolsa de valores chegou a despencar mais de 30% e o peso se desvalorizou. Na leitura do mercado, a derrota do presidente Macri coloca em risco a agenda de reformas da Argentina.

Nesta quinta-feira, a moeda argentina freou seu ritmo de queda desta semana, fechando com o câmbio de 59,72 pesos por dólar – uma alta de 4,12% em relação à véspera. O índice Merval da bolsa de Buenos Aires também fechou em alta, de 3,74%, a 31.039 pontos.

O alívio para o peso ocorre após Macri e o Fernández lançarem mensagens conciliadoras para acalmar os mercados.

G1

Compartilhe

Deixe um comentário