Ouvir Rádio: Rádio Senado Fale Conosco

Ministério diz que termo ‘violência obstétrica’ é ‘inadequado’ e deixará de ser usado pelo governo

0

Por Filipe Domingues, G1

Uma nova orientação do Ministério da Saúde pede que seja evitado e, possivelmente, abolido o termo “violência obstétrica” em documentos de políticas públicas. O despacho foi assinado pela coordenadora-geral de Saúde das Mulheres, Mônica Almeida Neri, na sexta-feira (3), pelo diretor do departamento de Ações Programáticas Estratégicas, Marcio Henrique de Oliveira Garcia, e pelo Secretário-Executivo substituto, Erno Harzheim.

Conforme esse despacho, o termo “violência obstétrica” se refere ao uso intencional da força e, portanto, não é aplicável a todos os incidentes que ocorrem durante a gestação, parto ou puerpério. A expressão é considerada “imprópria” pelo Ministério, pois acredita que, nos momentos de atendimento à mulher, “tanto o profissional de saúde quanto os de outras áreas, não têm a intencionalidade de prejudicar ou causar dano”.

O documento exige que as normativas do Ministério passem a se pautar por essa orientação. Diz o texto do despacho: “O posicionamento oficial do Ministério da Saúde é que o termo ‘violência obstétrica’ tem conotação inadequada, não agrega valor e prejudica a busca do cuidado humanizado no continuum gestação-parto-puerpério.”

O ministério afirma, ainda, que tem buscado “qualificar a atenção ao parto e nascimento” em suas estratégias. Segundo o documento, “a expressão ‘violência obstétrica’ não agrega valor e, portanto, estratégias têm sido fortalecidas para a abolição do seu uso com foco na ética e na produção de cuidados em saúde qualificada”.

Comunidade médica

Em nota enviada ao G1 (veja íntegra abaixo), o Ministério da Saúde justificou que a mudança acompanha o Conselho Federal de Medicina (CFM), que no parecer 32/2018 afirmou: “A expressão ‘violência obstétrica’ é uma agressão contra a medicina e especialidade de ginecologia e obstetrícia, contrariando conhecimentos científicos consagrados, reduzindo a segurança e a eficiência de uma boa prática assistencial e ética.”

Membros da comunidade médica se sentem ofendidos, especialmente, por movimentos que defendem alternativas à assistência obstétrica provida por médicos.

“Os médicos entendem que a autonomia da mulher deve ter limites, principalmente quando existem fatores que possam colocar tanto a mãe quanto a criança em risco se o parto vaginal for escolhido, e em local que não seja o hospital”, diz o parecer do CFM.

Já a Organização Mundial da Saúde (OMS) adota o termo e o define como “a apropriação do corpo da mulher e dos processos reprodutivos por profissionais de saúde, na forma de um tratamento desumanizado, medicação abusiva ou patologização dos processos naturais, reduzindo a autonomia da paciente e a capacidade de tomar suas próprias decisões livremente sobre seu corpo e sua sexualidade, o que tem consequências negativas em sua qualidade de vida”.

Muitas pacientes hoje têm mais consciência sobre as práticas médicas e seus possíveis problemas — Foto: Tânia Rêgo/Agência BrasilMuitas pacientes hoje têm mais consciência sobre as práticas médicas e seus possíveis problemas — Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Muitas pacientes hoje têm mais consciência sobre as práticas médicas e seus possíveis problemas — Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Expressão é tema de debate

Segundo o Dr. Alberto Guimarães, médico obstetra e criador do programa “Parto Sem Medo”, é fato que os médicos não se sentem confortáveis com a popularização do termo “violência obstétrica”.

“Isso dói na gente”, admite, acrescentando que muitas pacientes hoje têm mais consciência sobre as práticas médicas e seus possíveis problemas, o que pressiona a comunidade médica agir de forma mais transparente.

“A mulher está querendo passar pela experiência do parto de maneira respeitosa. O médico terá dificuldades se não estiver antenado com o movimento atual sobre os nascimentos.” – Dr. Alberto Guimarães.

Para ele, mesmo o parto normal é, em muitos lugares, uma espécie de “parto medonho”, com práticas que muitas vezes desrespeitam as vontades das pacientes. Em outros casos, as pacientes são desnecessariamente induzidas a fazer o parto cesariano.

“Há uns quatro ou cinco anos começou a aparecer esse tema de ‘violência obstétrica’. Claro que para os médicos é um nome pesado: ninguém se formou para ser violento”, diz.

Mas, segundo o Dr. Guimarães, mais importante do que mudar a terminologia sobre as possíveis situações de violência obstétrica, é necessário combater o problema em si.

“Não se resolve a questão retirando ou proibindo o termo. É preciso combater algo que é sabidamente ruim e definir melhor políticas públicas, a relação médico-paciente, o que o profissional pode fazer para atender de maneira mais atenciosa, dar boa assistência no pré-natal, boa estrutura no ambiente da maternidade, bons profissionais envolvidos, e não atender pacientes demais ao mesmo tempo”, exemplifica o obstetra.

Termo foi usado no passado

Nesse sentido, o Ministério da Saúde afirma que o termo “violência obstétrica” não deve ser usado de maneira indiscriminada, “principalmente se associado a procedimentos técnicos indispensáveis para resolução urgente de situações críticas à vida do binômio mãe-bebê relacionados ao momento do parto”.

Conselho Federal de Medicina entende que a autonomia da mulher deve ter limites quando há fatores que possam colocar tanto a mãe quanto a criança em risco — Foto: Rodrigo Batista/CedidaConselho Federal de Medicina entende que a autonomia da mulher deve ter limites quando há fatores que possam colocar tanto a mãe quanto a criança em risco — Foto: Rodrigo Batista/Cedida

Conselho Federal de Medicina entende que a autonomia da mulher deve ter limites quando há fatores que possam colocar tanto a mãe quanto a criança em risco — Foto: Rodrigo Batista/Cedida

Entretanto, em suas diretrizes de atenção à saúde das mulheres com deficiência e mobilidade reduzida, de janeiro de 2018, o ministério citava artigos acadêmicos ao definir a violência obstétrica como “a violência institucional na atenção obstétrica promovida pela organização do serviço e pelos profissionais de saúde contra a mulher grávida durante a assistência ao pré-natal, parto, pós-parto, cesárea e abortamento”.

Como exemplos desse tipo de violência, o documento menciona:

  • negação do direito à maternidade;
  • negação de sua sexualidade;
  • julgamentos, chacotas e piadas;
  • falas infantilizadas para se referir à mulher;
  • desrespeito do direito à acessibilidade da informação durante o acompanhamento pré-natal, parto e aborto;
  • restrição da participação da mulher no parto;
  • cesáreas desnecessárias e indesejadas;
  • laqueadura sem consentimento;
  • quebra de sigilo e da confidencialidade;
  • descaso nas situações de violência física, psicológica e sexual;
  • descaso sobre o direito ao planejamento reprodutivo e prevenção de Infecções Sexualmente Transmissíveis, vírus da imunodeficiência humana (IST/HIV/Aids);
  • barreiras físicas para o acesso ao serviço de saúde;
  • falta de acessibilidade para marcação de consultas e realização de exames.

Íntegra da nota do Ministério da Saúde

“As orientações sobre o uso do termo ‘violência obstétrica’ foram publicadas pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), em outubro de 2018, pelo parecer CFM 32/2018. A entidade é responsável pela regulamentação da atividade médica no país. Acompanhando a instrução e atendendo ao apelo de entidades médicas, o Ministério da Saúde publicou despacho no qual orienta que o termo “violência obstétrica” não deve ser usado de maneira indiscriminada, principalmente se associado a procedimentos técnicos indispensáveis para resolução urgente de situações críticas à vida do binômio mãe-bebê relacionados ao momento do parto.

É importante ressaltar que o Ministério da Saúde pauta todas suas recomendações pela melhor evidência cientifica disponível, guiadas pelos princípios legais, pelos princípios éticos fundamentais de cada categoria profissional, pela humanização do cuidado e pelos princípios conceituais e organizacionais do Sistema Único de Saúde. As estratégias adotadas visam reforçar o compromisso de fortalecer e qualificar o cuidado humanizado no país.”

Violência obstétrica pode ocorrer de várias formas
Bem Estar
Violência obstétrica pode ocorrer de várias formas

Violência obstétrica pode ocorrer de várias formas

G1

Compartilhe

Deixe um comentário