Ouvir Rádio: Rádio Senado Fale Conosco

‘Não há o que comemorar’, diz delegado após ação com 25 mortos

0

Polícia afirma que 24 dos mortos no tiroteio na comunidade do Jacarezinho eram suspeitos; 25ª vítima era policial

Chefes da Polícia Civil do Rio negam que tenha havido execuções durante a operação realizada na manhã desta quinta-feira (6) na comunidade do Jacarezinho, na zona norte do Rio, durante a qual morreram 25 pessoas – um policial civil e 24 supostos criminosos. “Se houve execução, foi do policial”, afirmou o delegado Rodrigo Oliveira, subsecretário de Planejamento e Integração Operacional da Polícia Civil, durante entrevista coletiva concedida no final da tarde.

Armas foram apreendidas na operação

Armas foram apreendidas na operação

PAULO RUBERT/ RECORD TV

“Lamentavelmente, houve muito confronto dentro da comunidade. Não há de se comemorar esse resultado, tamanha quantidade de pessoas que vieram a falecer, da mesma forma que não existe a capacidade de qualquer pessoas nos confortar pela morte do nosso policial”, disse Oliveira.

Segundo a polícia, a operação foi realizada para localizar e prender 21 acusados de aliciar crianças e adolescentes para o tráfico de drogas, que nessa comunidade é chefiado pela facção criminosa Comando Vermelho. A investigação está sendo realizada há meses pela Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima, que obteve as ordens judiciais de prisão na última sexta-feira (30). Dos 21 procurados, três foram mortos e três presos. Os outros 21 mortos, segundo a polícia, são criminosos que reagiram à ação policial. Outras três pessoas, que não eram alvos da operação, foram presas no decorrer dela.

Foram apreendidas 16 pistolas, 12 granadas, seis fuzis, uma submetralhadora e uma escopeta, além de drogas em quantidade ainda não contabilizada. 

Segundo o delegado, o policial que foi morto estava em um grupo de oito agentes que entrou em um beco onde havia uma estrutura de concreto com buraco para apoiar o cano de um fuzil. Um criminoso atirou dali, atingindo o policial na cabeça, logo no começo da operação, iniciada às 6h. Os confrontos se multiplicaram, levando ao mais alto número de vítimas registradas em operações policiais no Rio nos últimos anos.

A polícia afirmou que todos os protocolos exigidos pelo STF (Supremo Tribunal Federal) na decisão que restringe ações policiais foram cumpridos na operação. Oliveira criticou o “ativismo” de quem “está contra o serviço da polícia”. “Nós estamos do lado da sociedade, policial não entra (na favela) para executar ninguém”. Segundo ele, os traficantes têm tanta ingerência sobre a rotina da favela que chegam a determinar até se um morador pode ou não namorar determinada pessoa.

Em nota, o governo do Estado lamentou as mortes, mas disse que a ação foi orientada por um longo e detalhado trabalho de inteligência e investigação, que demorou dez meses para ser concluído. Além disso, afirmou que todos os locais de confrontos e mortes foram periciados.

Já representantes de grupos em defesa dos Direitos Humanos criticaram a operação, cobraram maior apuração e declararam que não cabe à Polícia Civil investigar a si mesma durante coletiva de imprensa com defensores públicos.

Invasões a residências de moradores

Sobre denúncias de abuso de autoridade, a polícia negou ter invadido casa de moradores e atribuiu os casos a criminosos, afirmando que os agentes apenas atenderam a pedidos de socorro. 

Em relação a um suspeito encontrado morto em uma cadeira, a polícia afirmou que as circunstâncias estão sob investigação. 

Feridos em estação do metrô

Além de três agentes, duas pessoas ficaram feridas em uma estação do metrô que fica próxima à comunidade, durante o tiroteio no Jacarezinho. 

O confronto suspendeu o serviço na Linha 2 do metrô e a circulação dos trens em dois ramais, Belford Roxo e Saracuruna, durante o dia.

Por segurança, três postos de vacinação nos arredores fecharam as portas e adiaram para sexta (7) a aplicação de doses do imunizante contra covid-19 em grupos prioritários.

Os agentes de segurança entraram nas vielas da comunidade em busca dos suspeitos. Mas houve um confronto intenso que resultou nas 25 mortes
A operação da Polícia Civil do Rio de Janeiro contra o tráfico de drogas no
Jacarezinho, zona norte da cidade, nesta quinta-feira (6), deixou pelo menos 25 pessoas baleadas e mortas
Desde o início da manhã, as viaturas da polícia estiveram nas entradas do Jacarezinho
Os agentes de segurança entraram nas vielas da comunidade em busca dos suspeitos. Mas houve um confronto intenso que resultou nas 25 mortes
A operação da Polícia Civil do Rio de Janeiro contra o tráfico de drogas no
Jacarezinho, zona norte da cidade, nesta quinta-feira (6), deixou pelo menos 25 pessoas baleadas e mortas
A operação da Polícia Civil do Rio de Janeiro contra o tráfico de drogas no
Jacarezinho, zona norte da cidade, nesta quinta-feira (6), deixou pelo menos 25 pessoas baleadas e mortas
Desde o início da manhã, as viaturas da polícia estiveram nas entradas do Jacarezinho
Nos hospitais, os familiares das vítimas buscavam informações. A polícia informou que 24 dos mortos eram suspeitos. O outro que não resistiu era policial
De acordo com as autoridades, houve uma grande apreensão de armas, drogas e munição. O conteúdo foi levado para a Cidade da Polícia, no Rio de Janeiro, 
A incursão da Polícia Civil ocorreu para apurar o suposto aliciamento de menores e o sequestro de trens da SuperVia pela maior facção do tráfico no Estado, o Comando Vermelho
Nesta imagem, policiais carregam ferido para fora da comunidade. Ao menos 5 pessoas ficaram machucadas, entre elas dois passageiros do metrô que nada tinham a ver com a operação
Desde junho do ano passado, as operações policiais estão proibidas no Rio de Janeiro, conforme decisão do STF (Supremo Tribunal Federal)
Os policiais que fizeram a operação hoje pertencem à Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente e contaram com apoio de outras unidades do Departamento Geral de Polícia Especializada (DGPE), do Departamento Geral de Polícia da Capital (DGPC) e da Coordenadoria de Recursos Especiais (CORE). A ação teve o nome de Exceptis
Nesta foto, um dos suspeitos baleados na operação da Polícia Civil do Rio de Janeiro
chega ao hospital Salgado Filho
Os agentes de segurança entraram nas vielas da comunidade em busca dos suspeitos. Mas houve um confronto intenso que resultou nas 25 mortes
  • A operação da Polícia Civil do Rio de Janeiro contra o tráfico de drogas no Jacarezinho, zona norte da cidade, nesta quinta-feira (6), deixou pelo menos 25 pessoas baleadas e mortasJosé Lucena/Thenews2/Folhapress – 06.05.2021
Compartilhe

Deixe um comentário