Parlamentares articulam derrubar veto ao Refis

0
Deputados federais e senadores do “centrão” já se articulam para derrubar o veto do presidente Michel Temer ao plano de refinanciamento de dívidas, o Refis, de pequenas e microempresas. A ideia dos parlamentares é manter o plano para essas categorias de empresas, que representam 98,5% de todas as empresas brasileiras e são responsáveis por 40% de todos os salários pagos no país.
Pequenas e microempresas respondem por 27% do Produto Interno Bruto do Brasil, além de 52% dos empregos com carteira assinada.
Para o Danilo Forte (DEM-CE), é inaceitável o Refis atender apenas a grandes empresas. Ele defende a reinserção do devedor na economia.
O veto serve apenas para pequenos, incluindo optantes pelo Simples. Devedores bilionários como Vale e Petrobras se beneficiam do plano.
Segundo dados do Sebrae, os pequenos negócios apresentaram, pelo 8º mês seguido, saldo positivo de empregos com carteira assinada.
 
O planejamento estratégico das distribuidoras de combustíveis, várias delas controladas por empresas norte-americanas, para esmagar o etanol brasileiro, passa por inundar o Nordeste do produto dos Estados Unidos, à base de milho, quando a produção na região está no auge. De maneira até cruel, o etanol importado, podre por ser poluente, entra no Brasil pelos portos nordestinos, para quebrar o produtor da região.
Só em novembro, o Brasil importou 106,7 milhões de litros de etanol podre, havendo produto nacional suficiente para abastecer o mercado.
Em maio, foram importados 244,3 milhões de litros, que aumentaram a produção para empurrar seu etanol de má qualidade no Brasil.
Distribuidoras agora produzem etanol, após comprarem destilarias na “bacia das almas” no Sudeste. Querem fazer o mesmo no Nordeste.
As freqüentes visitas a médicos e hospitais, sem explicações razoáveis, favorecem a proliferação de fofocas sobre o real estado de saúde do presidente Michel Temer. O governo tem a obrigação da transparência.
Até entre auxiliares especula-se sobre a saúde do presidente. Um ministro recém-nomeado, ainda tratado com cerimônia no Planalto, andou dizendo a amigos que Temer estaria com câncer de próstata.
Parlamentares deveriam voltar ao trabalho no dia 2, como manda o artigo 57 da Constituição, mas como este ano a data cai numa sexta e dia 13 é terça-feira de Carnaval, o Congresso só volta… no dia 20.
Apesar da crise, ou até talvez em razão dela, o mercado farmacêutico cresceu 12,8% entre janeiro e novembro de 2017, segundo a IQVIA. Só as redes da Febrafar apresentaram crescimento de mais de 69%.
A FAB parece não se importar com seus pilotos. Em vez de optar pelo tecido usado por Nasa e Royal Air Force (Inglaterra) nos macacões, optou por um mais barato, que, imprestável, só é útil para juntar poeira.
O lobby das empresas aéreas continua forte no Ministério do Planejamento, que defende a medida adotada no governo Dilma de compra de passagens sem licitação. E ainda dizem que “economizam”.
A Universidade de São Paulo (USP) completa 88 anos nesta sexta e tem muito a comemorar. Uma das mais prestigiosas universidades do Brasil, a USP é das poucas a integrar rankings de melhores do mundo.
Muitos anos antes da Lava Jato, Curitiba já foi o embrião de mudanças na política. Foi numa quinta, 12 de janeiro de 1984, que 60 mil pessoas lotaram a “Boca Maldita” no primeiro grande comício pelas Diretas Já!
…o “teatro de última categoria” de Maluf está na mesma categoria das encenações da classe política no palanque, no plenário ou na TV.
Compartilhe

Deixe um comentário