Ouvir Rádio: Rádio Senado Fale Conosco

‘Perdi minha família’, diz jornalista após enterrar o pai vítima de Covid-19 sem a presença de parentes

0

No prazo de três dias, a jornalista e professora aposentada Rose Castro, de 58 anos, perdeu o pai e um tio para a Covid-19. Diagnosticada também com a doença, Rose é filha única e morava com o pai em Marília (SP) desde que se aposentou no final de 2016. Desde a morte da mãe pouco tempo depois, era só ela e o pai.

“Depois que me aposentei vim para Marília e com a morte da minha mãe, peguei minhas coisas e mudei de vez para cá. Eu sou filha única, não me casei, então ficamos eu e meu pai. Perdi minha família”, desabafa.

Orioswaldo Fernandes tinha 81 anos e, segundo Rose, tinha boa saúde, apesar de alguns problemas comuns por causa da idade. Ele tomava remédios para hipertensão e diabetes, mas os cuidados foram reforçados por causa da pandemia.

Brasil chega a 100 mil mortes por Covid-19; como chegamos até aqui?

Brasil chega a 100 mil mortes por Covid-19; como chegamos até aqui?

“Nós seguimos todos os cuidados, ficamos em casa em quarentena. Se precisava sair é para ir no supermercado, comecei fazer meus cursos online, ninguém entrava de sapato em casa, tinha o paninho com água sanitária na porta de casa, máscara para tudo. Meu pai começou a reclamar de ficar em casa nos últimos dias, então só deixava ele ir na padaria cedo buscar um pãozinho.”

Os sintomas começaram após uma visita do tio de Rose, irmão do pai. Luiz Eduardo, que tinha 74 anos, queria passar o fim de semana com o irmão para comemorar o aniversário dele, que seria no dia 13 de julho. Rose conta que reparou que o tio estava um pouco gripado, mas não imaginaram que poderia ser Covid-19.

Pai de Rose (à esquerda na foto) e o tio morreram com Covid-19  — Foto: Arquivo pessoal

Pai de Rose (à esquerda na foto) e o tio morreram com Covid-19 — Foto: Arquivo pessoal

“Eu até perguntei para ele se estava bem, ele disse que sim, que era só um resfriado. Ele passou o fim de semana com a gente e uns dias depois comecei a sentir sintomas de uma gripezinha, mas nunca pensei que poderia ser Covid-19.”

O alerta veio quando Rose começou a perder o olfato. Como o sintoma é comum entre as pessoas que tiveram a doença causada pelo coronavírus, ela decidiu procurar atendimento médico. O pai nesse período também começou a apresentar sintomas.

“Ele ficou com aquela sensação de moleza no corpo, mas medi a temperatura e estava com 37,5 ºC, não teve febre alta nenhuma vez. Quando eu disse que não estava sentido cheiro ele até brincou, disse que estava ótimo, sentindo cheiro de tudo”, afirma.

A médica que atendeu a jornalista que aconselhou a procurar um infectologista, embora, os exames de sangue e o Raio-x do pulmão não tenham apontado nada grave. Orientou também que ela levasse o pai no médico.

Nesse atendimento, os dois descobriram que Orioswaldo estava com baixa oxigenação. O idoso foi encaminhado para uma unidade específica para atendimento de Covid-19 e de lá precisou ser transferido para o hospital da Unimar, uma das unidades de referência no tratamento da doença em Marília. Ambos fizeram os testes e o resultado positivo para Covid-19 de Rose saiu antes do pai.

“Nesse meio tempo recebi a ligação do meu primo, filho único também do Luiz Eduardo, que me contou a situação do pai. Disse que ele estava muito mal no hospital, também com Covid, que já tinha virado ele de bruços para respirar melhor. Eu disse que a situação do meu pai estava igual.”

Rose conta que o pai parecia bem apesar de estar internado na UTI do hospital e que tinha deixado até livros para ele ler quando fosse para enfermaria.

“Eu achei que ele ia voltar [para casa]. Nos primeiros dias eu ainda conversa com ele, ele dizia que estava bem, que sairia em breve, mas conforme ia fazendo os exames, ele piorava. Depois ele num falava mais comigo, só me ouvia e no dia 30 de julho ele morreu.”

Três das depois, no dia 2 de agosto, o tio da jornalista morreu em Americana onde morava com a família.

Despedida com caixão lacrado

Amiga acompanhou Rose no sepultamento do pai em Marília  — Foto: Arquivo pessoal

Amiga acompanhou Rose no sepultamento do pai em Marília — Foto: Arquivo pessoal

Apenas uma amiga acompanhou Rose no enterro do pai, que seguiu todos os protocolos necessários no caso de Covid-19. Ela conta que colocou luvas e máscara e manteve a distância da

“Nunca esquece da frase que o funcionário do cemitério nos disse quando chegamos lá para enterrar meu pai. Ele me perguntou ‘são só vocês duas?’ não tenho palavras para descrever o que senti. Percebi que eu estava enterrando meu pai sem a presença dos irmãos deles, sem mais ninguém da família. Tenho muita sorte de ter essa amiga, que conheço desde meus 18 anos, que fez questão de me acompanhar.”

“Tive que escolher um caixão que foi levado direto para o hospital. Eles me disseram que colocam o corpo em um saco plástico e passam as fitas no caixão, que é lacrado. É tudo muito chocante, eu ainda estou anestesiada com toda essa situação”, completa.

Mesmos cuidados

Os exames que Rose fez apontaram que 25% do pulmão foi afetado pela Covid-19, apesar disso ela não teve falta de ar, nem febre ou outro sintoma mais grave e a orientação foi que ela ficasse em isolamento em casa.

“Eu não estou mais no período de transmissão, mas pretendo ficar em casa, tomando os mesmos cuidados de sempre. Conversando com os médicos eles me orientaram a seguir os mesmos cuidados de alguém que não quer pegar a Covid-19. Passado esse período, vou refazer o exame, procurar um pneumologista e também um cardiologista porque comecei a ter palpitações, o que pode ser emocional por toda a situação, mas também pode ser alguma consequência da Covid”, reforça.

A jornalista também destacou a importância de todos se conscientizarem sobre a situação que vivemos.

“Tem muita gente ainda numa fase negação, não querendo acreditar na gravidade do que estamos vivendo, dessa pandemia. Eu acredito que os números são muito maiores do que sabemos e as pessoas precisam entender que todo mundo que está saindo de caso, se reunindo está em risco. Olha só como foi com a gente estamos só os três e todos pegaram a doença. Temos que continuar lutando para que as pessoas se conscientizem”, finaliza.

Rose disse que vai manter os mesmos cuidados após o período de isolamento social  — Foto: Arquivo pessoal

Rose disse que vai manter os mesmos cuidados após o período de isolamento social — Foto: Arquivo pessoal

G1
Compartilhe

Deixe um comentário