Ouvir Rádio: Rádio Senado Fale Conosco

Plataforma pretende mapear pessoas com deficiência e facilitar acesso a serviços, no Ceará

0

A produtora cultural Luana Holanda, de 39 anos, considera positiva a criação da plataforma — Foto: Rodrigo Gadelha/SVM

A produtora cultural Luana Holanda, de 39 anos, considera positiva a criação da plataforma — Foto: Rodrigo Gadelha/SVM

Lançada no dia 3 de dezembro, instituído como o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, a nova plataforma do Governo do Ceará deve descentralizar os serviços voltados às pessoas com deficiência. Além disso, a iniciativa pretende promover inclusão e assistência ao grupo.

Segundo a Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa), o processo será realizado nas 22 áreas descentralizadas da saúde, com distribuição de medicamentos, materiais e insumos, dessa forma, pessoas com deficiência que moram no interior do estado não vão precisar se deslocar para a capital.

As pessoas poderão fazer um cadastro no programa pelo site, que vai servir para a realização de um censo, de modo a obter informações detalhadas sobre a situação da pessoa com deficiência no Ceará. Inicialmente, o ‘Programa de Assistência à Saúde das Pessoas com Deficiência’ vai mapear esse quantitativo.

“Esse programa vai possibilitar a inserção e integração das pessoas com deficiência nas políticas públicas, especialmente na saúde. A lógica hoje é a descentralização para que as pessoas possam ter os serviços prestados na sua região. Vamos poder planejar para as pessoas receberem a sua assistência”, explicou o governador Camilo Santana.

A iniciativa prevê ainda a capacitação de cearenses para a elaboração, adaptação e manutenção de órteses e próteses com a implantação de oficinas-escolas. Assim, serão gerados mais empregos voltados à pessoa com deficiência, maior autonomia e garantia de inclusão social.

Marcos Gadelha, secretário executivo de Política em Saúde do Ceará, afirma que o banco de dados vai facilitar o reconhecimento de casos prioritários. “Nós vamos qualificar essa informação, conhecer melhor as necessidades dessas pessoas com deficiência. Isso vai definir as pessoas que vão precisar ser atendidas de forma mais urgente”.

Atendimento das demandas

Para a produtora cultural Luana Holanda, de 39 anos, a criação da plataforma é vista como algo positivo, pois “ajudará para que se tenha menos subnotificações dessa minoria tão inviabilizada e assim traçar políticas públicas melhores. Esses dados podem futuramente ser usados para criação de políticas públicas em outros âmbitos, como educação, trabalho, cultura, esporte e lazer”, afirma ela que é uma pessoa com deficiência física.

“Embora a plataforma use questionários baseados na avaliação biomédica, o modelo é antigo e vem sendo muito discutido para que seja substituído pelo modelo de avaliação biopsicossocial da pessoa com deficiência, afinal temos outras questões que não se limitam apenas ao âmbito da medicina e não somente as nossas deficiências em si”, explica.

Luana pondera que a iniciativa de descentralização é um começo para atender melhor às demandas do grupo. “Hoje em dia existem filas de espera muito extensas para aquisição desses equipamentos assistivos, que são garantidos por lei. São pessoas que não conseguem se reabilitar ou habilitar corretamente e voltar às suas atividades plenamente, seja pela morosidade para receber, seja pela baixa qualidade do equipamento, seja pelo deslocamento de cidade para tentar conseguir”, conclui.

G1 CE

Compartilhe

Deixe um comentário