Ouvir Rádio: Rádio Senado | Rádio Câmara Fale Conosco

Protestos contra o governo no Líbano chegam ao 11º dia

0

Manifestantes fizeram uma corrente humana atravessando o Líbano, neste domingo (27). Trata-se do 11º dia de protestos contra os políticos, que são acusados de corrupção e de levarem o país em direção à maior crise econômica desde a guerra civil que o país viveu de 1975 a 1990.

Nas rodovias costeiras, os participantes juntaram as mãos na tentativa de cobrir 171 quilômetros de norte a sul. As estradas estão paralisadas por bloqueios de manifestantes.

Imagem de manifestação em Beirute, no Líbano, no dia 18 de outubro de 2019 — Foto: Mohamed Azakir/ReutersImagem de manifestação em Beirute, no Líbano, no dia 18 de outubro de 2019 — Foto: Mohamed Azakir/Reuters

Imagem de manifestação em Beirute, no Líbano, no dia 18 de outubro de 2019 — Foto: Mohamed Azakir/Reuters

A associação bancária libanesa disse que os bancos permanecerão fechados na segunda-feira (28). Escolas e muitos comércios também fecharão as portas, e os bancos já estão sem abrir há oito dias úteis seguidos.

Os protestos de escala nacional têm como alvo a classe política, acusada de abusar do poder e de explorar os recursos do Estado em benefício próprio. As tensões econômicas têm emergido cada vez mais, agravadas pela falta de dólares e pela pressão sobre a desvalorizada libra libanesa.

O governo anunciou um pacote de reformas de emergência nesta semana, mas não conseguiu dissipar a revolta ou destravar 11 bilhões de dólares em doações de países que prometeram financiar o Líbano no ano passado, sob a condição de que o país implementasse as reformas há muito necessárias.

No Vaticano, o papa Francisco ofereceu neste domingo suas preces aos jovens que protestam no Líbano e pediu a ajuda da comunidade internacional para manter o país como um lugar de “coexistência pacífica”.

Descontentamento com a economia une a população separada pela religião no Líbano

Descontentamento com a economia une a população separada pela religião no Líbano

Por Reuters

Compartilhe

Deixe um comentário