Ouvir Rádio: Rádio Senado Fale Conosco

RJ: mais de R$ 5 milhões achados na casa de ex-secretário de Saúde

0
milhões, edmar santos, saúde, corrupção, covidão fluminense, wilson witzel, coronavírus

Dinheiro encontrado em casa do ex-secretário de Saúde do Rio, Edmar Santos | Foto: Reprodução

Além de prender o ex-secretário de Saúde do Rio de Janeiro Edmar Santos, o Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) apreendeu mais de R$ 5 milhões em dinheiro em uma das casas dele, em Itaipava, região serrana do Estado.

Santos foi preso em Botafogo, bairro da zona sul carioca, levado à Cidade da Polícia e, depois de um exame no Instituto Médico Legal, para a Unidade Prisional da Polícia Militar de Niterói, na região metropolitana do Rio.

milhões, edmar santos, saúde, corrupção, covidão fluminense, wilson witzel, coronavírus

Dinheiro encontrado na casa de Edmar Santos estava em malas | Foto: Reprodução

O ex-secretário é suspeito de irregularidades nos contratos de saúde do Estado durante a crise do coronavírus e deve responder por peculato e organização criminosa, de acordo com o MP-RJ.

Já existem provas de que Edmar Santos era a interface entre empresas e a secretaria. Segundo o ministério, ele chegava a indicar quem seriam os contratados em determinados processos administrativos.

Em conversa telefônica, o ex-secretário ordenou a criação de uma lista secreta dos fornecedores da Saúde.

“(…)Mapeia para mim todos os endereços de depósito de distribuidor de medicamento, distribuidor de material médico e distribuidor de equipamento aqui no Rio de Janeiro. Cara, todos esses endereços de depósito, deixa uma lista aí secreta contigo. Só eu e você vamos ter acesso a isso”

A ordem foi dada ao ex-subsecretário Gabriell Neves, também preso.

O Rio gastou mais de R$ 1 bilhão em contratos emergenciais com dispensa de licitação para adquirir respiradores, oxímetros, medicamentos e locar leitos privados. Há suspeitas de irregularidades em toda essa documentação.

Apenas 52 respiradores de mil comprados na gestão de Santos serviam para o combate à covid-19. Os contratos foram feitos com três empresas investigadas.

Outros 97 que chegaram estão parados no aeroporto Antônio Carlos Jobim, sem destinação.

/Revista Oeste

Compartilhe

Deixe um comentário