Ouvir Rádio: Rádio Senado / Universitária FM 107.9 Fale Conosco

Voluntários reconstroem quarto após idosa perder tudo em incêndio, em Fortaleza

0

Foi como acordar em meio a um pesadelo e constatar que, na verdade, era real: em plenas 23h do dia 15 de maio, a cuidadora de idosos Jacinta Rodrigues, 65, estava no trabalho quando atendeu uma ligação da irmã e ouviu apenas uma informação: “tua casa tá pegando fogo!” A essa altura, o incêndio causado por um curto-circuito já havia destruído completamente o quarto de Jacinta, no Bairro Demócrito Rocha, periferia de Fortaleza.

Móveis, imagens de santos, telhado, a estrutura do cômodo e até os documentos da cuidadora foram atingidos pelas chamas – controladas com a ajuda dos vizinhos e que, por pouco, não vitimaram o cachorro e pai dela, o aposentado Afonso Rodrigues Santos, de 101 anos de idade. No momento do incêndio, o idoso estava sob os cuidados da filha Raimunda Rodrigues, irmã de Jacinta.

“Pensei que fosse alguma coisa com o meu pai, quando minha irmã ligou. Mas ela avisou o que tava acontecendo e corri pra casa. Quando cheguei, parei na porta e vi todo o estrago. Fiquei sem chão, sem teto, sem nada. Foi muito difícil”, relembra a cuidadora, que teve a história contada no CETV 1ª Edição e assistida pelo professor Derlânio Heulle – que transformou a tragédia em uma história de solidariedade. “Ela ficou descrente quando ofereci ajuda. E eu só falei: não chore, não se abata, isso vai mudar”, conta o professor.

Reforma

Ao tomar conhecimento da história, o jovem mobilizou amigos e moradores do bairro em um mutirão para ajudar a reconstruir a parte da casa destruída e recuperar os pertences de Jacinta. “Quando terminou a reportagem, vesti a roupa e disse ‘vou lá ajudar essa senhora, porque é da minha comunidade, do meu povo’. Cheguei, conversei e disse que iria ajudá-la. Ela demorou a acreditar, mas aceitou, e a partir daí começou a ação: comprei telhas, caibros novos, tudo no meu cartão de crédito. Depois, outras pessoas boas foram ajudando”, relata.

A cuidadora de idosos ganhou novos móveis e uma nova cor na parede — Foto: Derlânio HeulleA cuidadora de idosos ganhou novos móveis e uma nova cor na parede — Foto: Derlânio Heulle

A cuidadora de idosos ganhou novos móveis e uma nova cor na parede — Foto: Derlânio Heulle

Os amigos de Derlânio – o também professor Pedro Falcão e a psicóloga Alana Cordeiro – e a comunidade, então, arrecadaram os valores necessários para compra de materiais. “Trocamos toda a fiação da casa, porque poderia dar curto circuito em outro cômodo. Para a mão de obra, contamos com um senhor, o José Bezerra, que mesmo desempregado chegou lá pra prestar ajuda de graça. Mas ele acabou recebendo ajuda também, porque nos conscientizamos da situação dele e pagamos por alguns serviços”, declara o professor.

Após 19 dias de trabalho, as manchas pretas deixadas pelo fogo passaram a figurar somente nas fotos – porque a própria Jacinta preferiu apagá-las da memória, deixando lugar apenas para a beleza das paredes em cor lilás e dos quadros decorativos que Derlânio fez questão de pendurar na casa. “Eu não lembro mais daquele momento e de como ficou minha casa. Quero lembrar de hoje. Toda regra tem exceções, e esse menino e quem me ajudou é uma delas. Só quero agradecer a todo mundo”, comemora a cuidadora de idosos.

Jacinta ganhou, ainda, quadros nas paredes do cômodo — Foto: Derlânio HeulleJacinta ganhou, ainda, quadros nas paredes do cômodo — Foto: Derlânio Heulle

Jacinta ganhou, ainda, quadros nas paredes do cômodo — Foto: Derlânio Heulle

Com o retorno ao trabalho e às obrigações diárias, a rotina de Derlânio ganhou uma nova atividade. “Meu contato com a dona Jacinta, agora, é como se fosse de filho e mãe. Todo dia ela me liga, pergunta onde eu tô, como eu tô. Foi Deus, mesmo, que me tocou pra levar isso como missão. Foram pessoas comuns que fizeram isso acontecer, e ver tudo pronto deu sensação de dever cumprido, realização pessoal”.

G1 CE

Compartilhe

Deixe um comentário